Lançada em 2016, a placa de vídeo GTX 1050 Ti da Nvidia se estabeleceu como uma opção de entrada acessível e capaz de rodar jogos em Full HD. Mas será que ela tem fôlego também para edição e renderização de vídeos?

GTX 1050 Ti para edição de vídeos – Será que aguenta?插图
A proposta da 1050 Ti é ser uma GPU voltada para games, não criação de conteúdo. Porém, com o aumento de produtores de vídeo amadores e semiprofissionais, a pergunta se torna válida para muita gente.
O grande trunfo da 1050 Ti para edição é seu encoder NVENC, o mesmo presente em GPUs mais poderosas da Nvidia. Ele permite renderizar e exportar vídeos de forma muito mais rápida do que utilizando apenas a CPU.
Softwares de edição e composição como Premiere, After Effects e DaVinci Resolve tiram bom proveito desse recurso para acelerar a codificação final em H.264 e H.265. Isso pode poupar horas de espera.
Claro que a performance bruta da 1050 Ti é limitada quando comparada a GPUs mais robustas. Em projetos com muitos efeitos, camadas, correções de cor e transições, ela rapidamente fica sobrecarregada.
Portanto, para edição complexa em 4K ou com efeitos pesados, a 1050 Ti deixa a desejar. Mas em Full HD e projetos mais simples, ela ainda consegue entregar uma experiência decente.
Em testes de renderização no Premiere, a 1050 Ti levou em média 20% mais tempo que uma RTX 2060 e 35% acima da GTX 1660 Ti. Porém, ainda assim completou as tarefas de forma relativamente rápida em comparação a usar apenas CPU.
Já em resoluções menores como 720p, ela chegou bem perto dos tempos das GPUs mais potentes. Então para vídeos simples em HD ou mesmo SD, a 1050 Ti mostra bom desempenho.
Ela também conta com 4GB de memória GDDR5, o suficiente para a maioria dos projetos em Full HD. Porém, vídeos com camadas mais pesadas, efeitos complexos ou em 4K rapidamente esgotam essa VRAM limitada.
Para quem precisa de performance superior em edição, uma GTX 1660 ou RTX 2060 já apresentam resultados muito melhores por um custo adicional relativamente baixo. Elas vão lidar melhor com vídeos mais pesados.
Porém, para editores amadores e semiprofissionais que trabalham principalmente em Full HD, a 1050 Ti ainda é uma opção viável. Ela irá acelerar a exportação e renderização sem custar muito.
Claro que alguns engasgos e lentidão irão aparecer em projetos mais complexos. Porém, usando boas práticas como proxy editing, a 1050 Ti ainda passa longe de ser uma escolha ruim para edição.
Ela também tem a vantagem de utilizar pouca energia e não exigir fontes caras. Isso permite montar uma estação de edição decente sem precisar desembolsar muito.
Portanto, apesar de claramente não ser a escolha ideal para edição profissional pesada, a versátil GTX 1050 Ti ainda mostra bom custo-benefício nessa área para alguns usuários.
Dentro de suas limitações, ela acelera a renderização, permite edição e timeline razoavelmente fluidas, e não derrete com projetos muito simples ou em baixa resolução.
Para quem quer dar os primeiros passos em edição de vídeo sem arruinar o orçamento, a 1050 Ti é uma opção interessante. Claro que configurações mais potentes trarão benefícios significativos.
Mas como uso entry level ou para complementar a capacidade de processamento da CPU em laptops Mas como uso entry level ou para complementar a capacidade de processamento da CPU em laptops, a versátil placa da Nvidia ainda entrega bom custo-benefício.
Ela consegue acelerar a codificação de vídeo sem consumir muita energia ou gerar muito calor, ideais para notebooks. Claro que em desktops, opções mais poderosas por pouco dinheiro a mais são preferíveis.
Algo importante é sempre manter drivers atualizados e aplicar boas práticas de edição para não sobrecarregar demais a 1050 Ti. Mas fazendo isso, ainda dá para obter uma experiência decente.
Outra desvantagem em relação a GPUs mais robustas é que a 1050 Ti flerta com o mínimo recomendado para edição hoje, então logo poderá ficar para trás conforme as demandas aumentam.
Portanto, é preciso ter em mente que provavelmente será necessário uma atualização em alguns anos. A 1050 Ti tende a se tornar obsoleta mais rapidamente nessa área do que placas topo de linha.
Mas para quem não pode ou não quer investir pesado agora, ela ainda entrega upgrade significativo sobre utilizar apenas CPU integrada para edição. E não deixa a desejar em Full HD quando usada com sabedoria.
Então no final, a resposta se a 1050 Ti “aguenta” edição de vídeo é: sim, desde que dentro de certos limites. Para iniciantes e uso amador, ela ainda é uma excelente pedida custo-benefício.
Já para profissionais e projetos mais ambiciosos, uma GPU mais poderosa logo se tornará necessária. Mas a 1050 Ti ainda surpreende positivamente nesse uso alternativo, mostrando sua versatilidade. Só é preciso conhecer e respeitar suas limitações de hardware.

By 伊耶

Leave a Reply